Cavalcante, Goiás
Cavalcante é uma das cidades históricas de Goiás. Com uma população de 9.100 habitantes (IBGE,2000), surgiu em 1740, como vila, fundada por Diogo Teles Cavalcante, numa região cercada por morros e serras, conhecida pela grande quantidade de ouro, explorado durante muitos anos. Em 1831, tornou-se distrito.

Em 1860, destacou-se como produtor de trigo. No ano seguinte, Goiás exportou mais de 700 alqueires de farinha de trigo, dos quais 512 produzidos em Cavalcante. Mas, assim como a fase do ouro, também passou a fase do trigo na região, até que 1969 um grupo de garimpeiros resolveu recomeçar a exploração em minas abandonadas – foi a retomada da atividade. Hoje, a principal atividade econômica é a agropecuária.

Cavalcante tem 6.953 quilômetros quadrados de área, na Chapada dos Veadeiros, na Serra Geral do Paranã, ponto mais alto do Planalto Central. Lá, em meio ao cenário mais fantástico da Chapada, encontramos uma enorme diversidade de animais como lagartos, camaleões, pacas, antas, lontras, periquitos, tucanos, araras e onças, e de plantas como Angico, Jatobá, Sucupira, Ipê, Baru, Pau-Brasil, Carvoeiros, Canela-de-Ema, Arnica, orquídeas de todas as formas e cores, além das inigualáveis flores do cerrado. Localiza-se a 330 quilômetros de Brasília e tem mais de 150 cachoeiras catalogadas, porém nem todas de fácil acesso. As principais são Santa Bárbara, Capivara, Rio Prata e Ponte de Pedra.

No município, localizam-se umas das poucas comunidades negras descendentes de escravos, os Kalunga. O território Kalunga possui 204 mil hectares, hoje invadidos pela agricultura, mineração, hidrelétricas.

Em função disso, Goiás tornou-se o primeiro Estado brasileiro a colocar em prática o parágrafo 5 º do artigo 21 da Constituição Federal, que prevê o tombamento de sítios detentores de reminiscências históricas de antigos quilombos. Em 1991, foi sancionada a lei que reconhece o território Kalunga como Patrimônio Cultural e sítio de valor histórico.
Última atualização em Sex, 29 de Maio de 2009 04:08
 

História

Cavalcante é uma das cidades históricas de Goiás. Com uma população de 9.100 habitantes (IBGE,2000), surgiu em 1740, como vila, fundada por Diogo Teles Cavalcante, numa região cercada por morros e serras, conhecida pela grande quantidade de ouro, explorado durante muitos anos. Em 1831, tornou-se distrito.

Em 1860, destacou-se como produtor de trigo. No ano seguinte, Goiás exportou mais de 700 alqueires de farinha de trigo, dos quais 512 produzidos em Cavalcante. Mas, assim como a fase do ouro, também passou a fase do trigo na região, até que 1969 um grupo de garimpeiros resolveu recomeçar a exploração em minas abandonadas – foi a retomada da atividade. Hoje, a principal atividade econômica é a agropecuária.

Cavalcante tem 6.953 quilômetros quadrados de área, na Chapada dos Veadeiros, na Serra Geral do Paranã, ponto mais alto do Planalto Central. Lá, em meio ao cenário mais fantástico da Chapada, encontramos uma enorme diversidade de animais como lagartos, camaleões, pacas, antas, lontras, periquitos, tucanos, araras e onças, e de plantas como Angico, Jatobá, Sucupira, Ipê, Baru, Pau-Brasil, Carvoeiros, Canela-de-Ema, Arnica, orquídeas de todas as formas e cores, além das inigualáveis flores do cerrado. Localiza-se a 330 quilômetros de Brasília e tem mais de 150 cachoeiras catalogadas, porém nem todas de fácil acesso. As principais são Santa Bárbara, Capivara, Rio Prata e Ponte de Pedra.

No município, localizam-se umas das poucas comunidades negras descendentes de escravos, os Kalunga. O território Kalunga possui 204 mil hectares, hoje invadidos pela agricultura, mineração, hidrelétricas.

Em função disso, Goiás tornou-se o primeiro Estado brasileiro a colocar em prática o parágrafo 5 º do artigo 21 da Constituição Federal, que prevê o tombamento de sítios detentores de reminiscências históricas de antigos quilombos. Em 1991, foi sancionada a lei que reconhece o território Kalunga como Patrimônio Cultural e sítio de valor histórico.